quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

200 CRÔNICAS ESCOLHIDAS


Uma vez li no blog do Roberto Camargo um post intitulado ‘Musicas que combinam com praia’ (Fev/2010) e fiquei a pensar em quais livros combinariam com praia. Como eu gosto de ler e livro faz parte do meu cotidiano, tenho a capacidade de ler até quatro livros ao mesmo tempo, não cheguei a uma conclusão específica na época. Recentemente, no mesmo blog, o Roberto escreveu um post intitulado ‘Uma Praia Distante & Deserta’ em ele faz uma alusão à leitura na praia. Não me contive e pensei especificamente no que diz o post “Um livro, de preferência de contos ou crônicas, que, se cansar, dá para interromper a leitura a qualquer momento”. Pensei melhor no assunto e cheguei à conclusão de que crônicas e contos são os mais recomendados para essas ocasiões. Morador de Salvador/BA, distante três minutos a pé da praia do Porto da Barra, onde a aglomeração é imensa e a quantidade de informações é tamanha, eu garanto que não há estilo melhor para ler sem perder a concentração.
Pensando nisso, uma vez que o verão já chegou por aqui, se é que algum dia ele foi embora, resolvi abandonar um livro do Rubem Braga (1913-1990). Capixaba, nascido em Cachoeiro do Itapemirim, Rubem começou a ter seus textos publicados no jornal Diário da Tarde em Belo Horizonte quando ainda era um estudante. Mais tarde escreveu em diversos jornais e revistas do Brasil quando morou em São Paulo, Recife, Porto Alegre e Rio de Janeiro.
200 Crônicas Escolhidas é uma reunião dos melhores textos produzidos por Rubem Braga entre 1935 e 1977. A escolha das crônicas foi feita pelo próprio autor com base numa seleção organizada pelo amigo Fernando Sabino. Abordando sempre assuntos do dia a dia, falando de si mesmo, da sua infância, mocidade, primeiros amores, com predileção especial pelas coisas da natureza, o amor e a exaltação à mulher, Rubem tem a capacidade de impregnar tudo que escreve de um grande amor à vida simples. Nunca deixou de escrever regularmente suas crônicas para jornais e revistas constituindo ai um verdadeiro fenômeno: o de ser o único (que me perdoem se houver outros) escritor a conquistar um lugar definitivo na nossa literatura exclusivamente como cronista.
E se vocês me dão licença, vou dar um mergulho no mar porque hoje é feriado aqui e está fazendo um lindo dia de sol.
Cidade do abandono: Salvador/BA
Local: Fórum Rui Barbosa - 2º Piso
Data: 07/02/2011

2 comentários:

  1. Fiquei todo bobo de me ver tão citado no seu blog...Quem me dera ter a praia assim tão perto! Leve Danuzas, Martas Medeiros e quetais...São ótimas companhias!

    ResponderExcluir
  2. Bob, agradeço a você pela inspiração.

    ResponderExcluir